9. Representantes

A representação de nós mesmos
Há advogados que ajuízam ação requerendo para seu cliente, de forma consciente, muito mais do que seria devido pelo devedor;

Há médicos contratados para atuarem concomitantemente em um plantão de 24 horas em grupos de quatro, que combinam entre si, por conta própria, que apenas dois permanecerão no posto médico enquanto dois podem ir para casa;

Há jornalistas que inventam dados e estatísticas inexistentes para ilustrarem suas matérias;

Há jogadores de futebol que usam a mão de forma indevida para levarem a vantagem em um lance;

Há árbitros de futebol que apitam jogos pré-dispostos a favorecerem uma das equipes por vantagens financeiras;

Há empresários que não pagam as horas extras exigidas e trabalhadas efetivamente pelos seus empregados e que não recolhem o INSS de forma devida;

Há empregados que preenchem suas folhas de ponto sem mencionar os atrasos realmente ocorridos;

Há universitários que compram monografias para apresentarem na conclusão do curso;

Há professores universitários que elaboram e vendem as monografias aos alunos incapazes ou preguiçosos;

Há contribuintes que anexam recibos e despesas falsos para minimizar os descontos do imposto de renda;

Há compradores e vendedores de imóveis que formalizam o negócio por preço muito aquém do realmente acordado, para ludibriar o mesmo Fisco;

Há namorados que dizem à namorada que vão dormir, mas correm para a balada;

Há alunos que assinam a lista de presença de colegas ausentes falsificando suas assinaturas;

Há motoristas que passam a fila de carros engarrafados pelo acostamento;

Há motoristas que dirigem constantemente embriagados colocando em risco sua saúde e a de terceiros;

Há internautas que baixam músicas de forma sabidamente indevida pela internet;

Há vendedores de carros que omitem sobre batidas sofridas pelo veículo ao eventual comprador interessado;

Há cidadãos que subornam funcionários públicos para agilizarem ou retardarem procedimentos burocráticos;

Há não estudantes que fraudam uma carteira de estudante para pagar meia-entrada em eventos culturais; 

Há estudantes que lideram centros acadêmicos e fazem carteiras de estudante falsas para não estudantes fraudulentos;

Há pedintes que forjam doenças e alegam tragédias fantasiosas para comoverem doadores;

Há eu, você e todos nós somos, diariamente, os advogados, médicos, jornalistas, empresários, empregados, contribuintes, motoristas, compradores, vendedores, cidadãos que estarão no próximo fim de semana esbravejando contra a desonestidade dos candidatos disponíveis para serem votados nas eleições.

Será que nós estamos sendo realmente honestos sempre que podemos ser?

Será que os eleitos não seriam literalmente nossos “representantes”?

Sds,

Hugo

Por que não ser honesto, nos pequenos gestos
E nas grandes posturas
Não estamos à altura de tamanha virtude
Em toda e qualquer atitude?

Não podemos ser o primeiro a receber
O apelido de otário
Recusando o itinerário ordinário
De ser mais esperto e sabido?

Será que esperteza não seria a nobreza
De agir em consonância
Com a consciência e sem arrogância
Em toda e qualquer circunstância? 

PS 1: O reconhecimento de que todos podemos ser desonestos em diversas situações diferentes do dia a dia, mais do que desilusão, deve servir para o próximo passo: agir efetivamente a favor da verdade, da honradez e da decência. Tolerância zero da nossa consciência às nossas atitudes antiéticas. Somente assim, poderemos ser realmente melhor representados.

PS 2: Não lembro ao certo onde vi, mas me parece que na filosofia ou na literatura, ou até mesmo no cinema, existem personagens justiceiros que estabelecem critérios morais objetivos para punir aqueles que se enquadram nas condutas definidas como passíveis reprovação, e que, inevitavelmente acabam punindo a si próprios ao se darem conta que suas ações acabaram por configurar os critérios objetivos que eles mesmo estabeleceram (falar mal de quem fala mal dos outros não é falar mal do outro?)

PS 3: Há esperança.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POR QUE NÃO TENHO (TANTA) RAIVA DE LULA?

UMA TRAGÉDIA CHAMADA LULA

6. Sexta-feira, Sua Linda